Fale Conosco

A falta de informação pode piorar as chances de engravidar

Mesmo em meio a tantos avanços científicos, que já permitem ao Brasil desenvolver pesquisas com células-tronco e a uma imensa profusão de tecnologia, que faz surgir novas mídias e diversos canais de comunicação, há lugares, no País, onde a informação simplesmente não chega.

Nestes lugares, a medicina é a popular, a prescrição médica é “a recomendação do amigo”, “a reza do vizinho” ou “a simpatia do parente”. A crença vale mais do que a ciência. E as crenças em saúde – apesar de, muitas vezes, não corresponderem ao conhecimento científico – não necessitam de comprovação para serem aceitas e incorporadas ao repertório popular.

É este o caso da infertilidade. O imaginário popular criou, ao longo dos tempos, uma série de ideias que foram se cristalizando como verdades absolutas, dando origem aos famosos “mitos” ou “preconceitos”. O corpo feminino e a fertilidade da mulher são fontes de inúmeras fantasias que, ao invés de ajudar as mulheres, criam obstáculos.

Diante deste impasse, o que é preciso saber? Primeiro, que não há um responsável pelo problema de fertilidade do casal. Ninguém é mais responsável que o outro pelas dificuldades de gerar filhos. Em cerca de 40% das vezes, a dificuldade provém do homem. Em outros 40%, da mulher, e, nos 20% restantes, os dois possuem problemas que impedem a gravidez.

Depois, que para os casais com fertilidade normal, a chance de gravidez por ciclo ovulatório gira em torno de 20%. Portanto, não é surpresa o fato de que podem se passar vários meses até que o casal consiga a gravidez. Sabe-se que ao final do primeiro ano de relacionamento sexual ativo, sem uso de qualquer método anticoncepcional, 85% dos casais terão conseguido a gravidez.

Os 15% restantes, ou seja, 1 em cada 6 casais, não a conseguirão. São estes casais que devem procurar ajuda médica para ter filhos. Esqueça a simpatia, a dica da vizinha, o remédio natural… Quando existe um problema de fertilidade, o ideal é procurar o quanto antes um especialista, pois o tempo é um inimigo natural da capacidade reprodutiva do ser humano.

Se os governantes fizerem uma campanha para prevenção da infertilidade o slogan deveria ser “procure engravidar antes dos 35 anos !”

Dr. Rodrigo Sabato Romano

Grupo ALFA – Medicina Reprodutiva

  • fertilidade conjugal
  • informacao