Assisted Hatching

O Assisted-Hatching é uma técnica que visa aumentar as chances de implantação do embrião em alguns casos de fertilização in vitro. A realização da FIV envolve diferentes procedimentos, como: a indução da ovulação, coleta dos óvulos e dos espermatozoides, fertilização (por meio de cultura conjunta dos óvulos com espermatozóides ou pela injeção intracitoplasmática de espermatozóides – ICSI), transferência do embrião e teste de gravidez. Todo esse processo pode levar cerca de 25 dias.

Infelizmente, em alguns casos, a transferência de embriões de boa qualidade não gera a gravidez. Um dos fatores que podem influenciar essa falha de implantação do embrião pode estar relacionada a uma maior dificuldade do embrião romper a zona pelúcida, película que envolve o embrião nos primeiros dias após a fertilização.

O processo no qual o embrião rompe a zona pelúcida é chamado de hatching. Quando ocorre a concepção natural, o hatching ocorre após o embrião percorrer toda a trompa e chegar no útero, normalmente entre o quinto ou sexto dia após a fertilização.

Sendo assim, o Assisted-Hatching consiste na técnica de rotura assistida da zona pelúcida, facilitando a saída do embrião e a implantação do mesmo no útero. O procedimento é indicado principalmente para os seguintes casos:

  • Idade materna elevada;
  • Níveis basais de FSH elevados;
  • Endometriose;
  • Embriões com zona pelúcida espessa;
  • Falhas repetidas de implantação em ciclos anteriores de Fertilização in vitro;
  • Divisões celulares reduzidas ou excesso de fragmentação.

A escolha pelo Assisted-Hatching pode ser previamente decidida pelo profissional especializado em reprodução humana devido um dos fatores apresentados acima ou caso a equipe de embriologistas identifique uma zona pelúcida espessa no embrião antes da transferência, indicando a realização do procedimento para aumentar as chances de sucesso do tratamento.